terça-feira, 8 de novembro de 2016

Lírica do olhar


Suely Schraner

Lírica do olhar

Quadro verde
se te vejo azul
ou água
te vejo?

que esperas
que te demos
mais do que
já és?
(Carlos André)
🖼
..............................


Olhares líricos
Tantos

Transmutações
Encantamentos

Cintilaram alegrias
Replicaram poesia

Refrigério em  minh’alma
(Suely Schraner)
📖
.............................................

Na eternidade o espírito
sempre nos saúda com festa
É místico e se aloja em movimentos nos poros.
Ao anoitecer se deita na plenitude.
(Joana Vieira)
🌌

.....................................................................................


Importante prédio
Arranha-céus
Cobrindo toda natureza
Luz dominando tudo
Concreto da vida
Surrealismo
Cativando seu mundo

Agitada São Paulo

Vivente avançando o espaço
Hegemonia da natureza
(Shissaê O.Yamada)
🌃🏙
................................................


A Deusa

O maior órgão da mulher é o útero
Através dele se gera a vida

Na vagina, onde a mulher sente orgasmo, o clitóris

Em muitas práticas nos países africanos,
as mulheres são mutiladas
pra impedir de ter qualquer satisfação sexual.

Há ainda muito preconceito contra as mulheres
Devemos fazer com que a mulher seja vista e não escondida

Sem a mulher, não se gera vida
Viva Nossa Senhora do Clitóris!
(Priscila Lima Oliveira)


......................................................................................

Terras tenras

Meu Peru originário,
vazou meus ecos falsos,
em terras latinas.

Meninas de gritos libertinos,
Sou névoa nas pontas,
Com pontas tão áridas.

Povos pertencidos ínfimos,
Seus dedos apontam o vermelho sentimento.

Não temes vizinhos yankes,
e muito menos seus tanques.

Libertários irmãos de sórdidos tempos,
Vencidos com ternura nó amargura,
na ponta do futuro anil...
(Norberto Jr Do Valle)




terça-feira, 18 de outubro de 2016

Laercio

"Por não estares aqui
Estarás
Ainda que poesia"
(Carlos André)



Homem-tração
Ele e a  carroça 
Ela e o cão
Livres, soltos
Unha e carne
Carne e unha

Moradia? Onde deixam

Em tempos ruins,
conjugar com rato  
em tubulação do córrego

A água que a gente bebe,
carrega um tanto deles 

espasmos do existir  

Vasculhar calçadas
Rua pra quê te quero


Viração. 
Vira arte
mãos calejadas
gotejando poesia 
em praça pública.